Atum é remoso? | Ele causa inflamação? Confira Aqui!

Será que o atum é um peixe remoso? Essa é uma dúvida bastante comum em nosso país.

A cultura brasileira é repleta de termos ligados à sabedoria popular. Por exemplo, remoso ou reimoso.

A palavra define alimentos que geram coceira, inflamação e atrapalham o processo de cicatrização.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo uma pesquisa da UFG, Universidade Federal de Goiás. Remoso pode ser entendido como algo no alimento capaz de provocar reações adversas.

Então, atum é remoso?

O atum não é um pescado remoso devido ser fonte de nutrientes que ajudam no processo de cicatrização da pele.

Este peixe é fonte de ômega 3, que são ácidos graxos poli-insaturados que possuem ação anti-inflamatória.

Além disso, o atum é rico em proteínas, as quais são muito importantes no processo de cicatrização da pele.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As pesquisas apontam que as deficiências nutricionais, incluindo as de proteínas, atrasam o processo de cicatrização. (2)

Sendo assim, o ideal para uma boa cicatrização é consumir alimentos ricos em proteínas como peixes e aves.

Segundo a tabela TACO – NEPA/Unicamp, em 100 gramas de atum, há 25,7 gramas de proteínas e zero carboidratos.

Teor nutricional do peixe

O atum é fonte das vitaminas B6, B3. B12 e minerais como zinco, fósforo, selênio, cálcio e potássio.

Vale destacar, que todos estes nutrientes são essenciais para uma boa cicatrização.

Inclusive, o selênio presente nos peixes possui ação antioxidante e ajuda no sistema imunológico. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além disso, vários estudos ainda apontam que o mineral tem um papel anti-inflamatório.

O atum causa alergia?

Os peixes e frutos-do-mar são potenciais causadores de alergia, porém nem todos precisam se preocupar.

A alergia ocorre quando o corpo reconhece uma substância no alimento como prejudicial, mesmo não sendo.

Essa ameaça ativa as defesas naturais do organismo e geram sintomas como irritação na pele, coceira, rubor, inchaço, falta de ar e tontura.

No entanto, isso só ocorre em pessoas geneticamente predispostas, se o atum faz parte da sua dieta e nunca provocou as reações adversas citadas, este não é o seu caso.

Atum pode causar intoxicação?

O atum é rico num composto chamado histamina e pode levar a uma intoxicação.

Se o atum estragou, o crescimento de bactérias faz o conteúdo de histamina no peixe aumentar e a probabilidade de toxicidade.

Portanto, é preciso confirmar se o peixe está em perfeitas condições para o consumo e nunca ingerir estragado.

Os sintomas de toxicidade por histamina são iguais aos da alergia e ocorrem entre 5 minutos a 2 horas após a ingestão.

Atum x mercúrio

O mercúrio está naturalmente na superfície da terra. Mas as atividades humanas são as principais causas de emissão do metal e poluição dos oceanos.

Infelizmente, o atum e outros pescados estão passíveis de contaminação.

Segundo o Departamento de Proteção Ambiental dos USA. Os peixes com maior teor de mercúrio são. Agulha, tubarão e peixe-espada. (3)

Já o atum pode conter o metal, mas em menor quantidade que as espécies anteriores.

Considerações finais

O atum não é remoso e tem nutrientes que ajudam na cicatrização. Porém não deve ser ingerido por pessoas alérgicas ou intolerantes.

Ao mesmo tempo, fatores como a qualidade do peixe e possíveis contaminações devem ser considerados.

Além disso, o peixe fresco tem menos sódio que o enlatado. Sendo mais saudável para quem tem doenças renais ou cardiovasculares.

Por fim, busque conversar com o seu nutricionista sobre os melhores alimentos para sua dieta.


Marianne Rocha – Nutricionista

Revisão: Marianne Rocha. Nutricionista Mestra em Ciências – FSP/USP Pós-graduanda em Nutrição Esportiva – CEFIT

Artigos Relacionado

Fontes;

  • http://www.sbpcnet.org.br/livro/63ra/conpeex/pivic/trabalhos/JOSE%20NEIVA%20MESQUITA%20NTO.pdf
  • http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-42302013000300003
  • http://www.dan.unb.br/images/pdf/anuario_antropologico/Separatas1977/anuario77_raymundomaues.pdf
  • https://unites.uqam.ca/gmf/caruso/doc/pdf/TCC_mauro.pdf
  • pescados