Comidas Remosas! – Veja a Lista de Alimentos e Saiba Tudo!!!

O tema da nossa matéria de hoje é comidas remosas, enfim iremos conhecer diversos fatos e curiosidades a respeito.

Vamos saber quais comidas são essas e o que a ciência diz a respeito delas. Se ficou curioso te convido a embarcar no mundo dos alimentos remosos!

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O que são comidas remosas?

Aqui no Brasil, em especial no Norte e Nordeste, acreditasse que um grupo de alimentos popularmente chamados de remosos, possam por exemplo, provocar alergias, piorar inflamações e atrapalhar a cicatrização da pele.

Em função dessas crenças, pessoas em pós operatórios ou por qualquer motivo que tenham ferimentos no corpo são adivertidos a deixarem esses alimentos de fora do cardápio.

A lista de alimentos remosos é bem grande, porém, alguns itens popularmente conhecidos são.;

  • Carne de porco e derivados, amendoim, mortadela, caranguejo, camarão, crustáceos, carneiro, pato, moluscos, carnes de caça (paca, capivara, etc), chocolate, calabresa e peixes de couro.

Segundo dados da literatura

O que os alimentos remosos costumam ter em comum, é a alta concentração de gorduras e proteínas e também estão associados a animais de dieta carnívora e detritívoros, como os peixes cascudos, caranguejos e camarões.

Origem

Os hábitos alimentares da nossa população, incluem alguns tabus como os alimentos remosos.

Acreditasse que sua origem foi decorrente em parte, da miscigenação cultural indígena, negra e colonizadores portugueses ocorrida na formação da nossa população.

No dicionário

Você sabia? O adjetivo reimoso pode ter outros sentidos, não apenas qualquer coisa que faz mal ao sangue, mas também pessoas mal-humoradas e rabugentas.

A palavra reima é uma variação de reuma, que vem da palavra reumatismo, o que de origem quer dizer corrimento ou catarro.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Remoso e a ciência

O termo remoso não se trata de uma classificação científica e sim apenas uma expressão ligada à sabedoria popular.

A contra-indicação dos alimentos desse grupo embora não seja totalmente aceita pela classe médica, é frequentemente feita por alguns médicos à pessoas em pós-cirúrgicos. 

A comprovação da fisiopatologia da ação desses alimentos sobre os processos de cicatrização e inflamatório, todavia ainda é pouco estudada.

Uma das hipóteses para a ação dos remosos, estaria no processo inflamatório ligado à ativação da imunidade inata.

Deste modo, esses alimentos poderiam conter micro-organismos específicos que não são destruídos mesmo após o cozimento, o que ativaria a resposta inflamatória.

Uma outra possibilidade estaria ligada a fatores genéticos e também alimentos ricos em um composto pró inflamatório chamado ácido araquidônico.

A várias evidências, no entanto, apenas parte das pessoas mostram-se sensíveis aos alimentos remosos.

A nutricionista Maria Lúcia Barreto Sá, nutricionista da Universidade Estadual do Ceará esclarece que: 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
  • “O que o povo chama de remoso talvez seja um alergênico, que provoca reações apenas em determinadas pessoas: coceira, diarreia e até intoxicações mais sérias em pacientes alérgicos”

Isto mostra que esses alimentos podem não fazer mal a qualquer pessoa, e sim aos propensos a terem reações alérgicas a eles.

Considerações finais

A ação dos alimentos remosos sobre a cicatrização e/ou inflamação ainda necessita de estudos que a comprovem cientificamente.

No entanto, fica claro que o mecanismo fisiopatológico se trata de algo que vai além de um simples tabu alimentar.

Embora a ingestão desses alimentos possa ser um problema para algumas pessoas no pós cirurgia, de fato nesse período é recomendado uma dieta com alimentos ricos em vitamina C e ômega 3.

  • Por exemplo: abacaxi, laranja, morango, acerola, goiaba e frutas vermelhas, como cereja e uva.

Já alguns peixes também podem trazer benefícios, por exemplo, salmão, atum, sardinha, anchovas e cavala.

Referências:

  •  Life extension.com/-inflammation-by-eating
  • Science Daily – Food Taboos In Brazil