Cerveja é Remoso? | Veja e entenda.

A cerveja é uma das bebidas mais antigas do mundo. Sendo uma das mais consumidas pelos brasileiros. A produção nacional é de 14 bilhões de litros por ano, segundo a CervBrasil.

No entanto, quem tem ferimentos na pele, seja por uma cirurgia ou tatuagem, teme que a bebida atrapalhe o processo de cicatrização.

Hoje vamos esclarecer se cerveja é remoso, e o que especialistas e estudos científicos dizem sobre os efeitos da bebida no corpo.

A seguir, vamos explorar um pouco mais sobre o assunto e descobrir se o consumo de cerveja atrapalha ou não a cicatrização da pele.

Porém, antes, vamos entender mais sobre os alimentos remosos?

 O que significa remoso

Por não ser um termo muito comum, a maioria das pessoas não sabe o significado da palavra remoso.

Em síntese, de acordo com estudo da Universidade Federal de Goiás (UFG). Os alimentos remosos são aqueles com altas cargas proteicas e lipídicas.

Como consequência, podem causar inflamações ou piorar um processo inflamatório já existente no organismo.

Uma pesquisa da Universidade Federal do Pará (UFPA) cita como comidas remosas os derivados de carne suína, marisco, caranguejo, camarão e aves.

Mas, além desses, existem diversos outros, por exemplo, alimentos processados, pois são ricos em açúcar, sódio e gorduras ruins.

  • Sorvetes
  • Frituras
  • Fast-food
  • Salsicha, mortadela, salame
  • Doces
  • Macarrão instantâneo

Portanto, para pessoas em pós-operatório, com quadros de inflamação é recomendado evitar tais alimentos.

Além disso, para quem recentemente colocou piercing ou fez tatuagem, vale a pena esperar pelo menos por uma semana para voltar a consumir esses alimentos.

Afinal, cerveja é remoso?

Sim! A cerveja é considerada remosa, pois o álcool é capaz de prejudicar a cicatrização da pele, revelam os estudos.

O ideal é evitar aquela cervejinha e demais bebidas até que o ferimento esteja cicatrizado.

Já o tempo para voltar ao consumo de bebidas alcoólicas depende de vários fatores. Por isso, é essencial estar atento.

A médica da Família e Comunidade, Dra. Nicole Geovana, diz que após uma cirurgia é preciso aguardar entre 10 e 30 dias para consumir bebida alcoólica.

Todavia, esse tempo varia conforme o tipo de cirurgia ou procedimento. Por exemplo, em cirurgias de médio e grande porte, a recomendação é de no mínimo 30 dias.

Se você colocou piercing na boca ou língua, o sugerido é não beber álcool até que o local esteja cicatrizado. O mesmo cuidado serve para uma tatuagem.

Um estudo publicado no Journal of Dental Research, apontou que o álcool prejudica a cicatrização de feridas e eleva a incidência de infecção, pois inibe o fechamento de feridas e a produção de colágeno.

Os autores do estudo destacam que além do álcool, o tabagismo, diabetes e obesidade influenciam de forma negativa na cicatrização da pele.

Um outro estudo da Escola de Medicina Stritch da Universidade Loyola de Chicago, nos EUA. Também mostrou que a ingestão excessiva de álcool contribui para o atraso do fechamento da ferida e maior risco de infecções.

Segundo os pesquisadores, o álcool possui efeitos negativos na cicatrização devido a reduzir os níveis de componentes-chave do sistema imunológico envolvidos na cura.

Por fim, um estudo feito aqui no Brasil, da Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, destacou que ratos que receberam álcool e uma dieta rica em calorias durante o processo de reparo cutâneo tiveram atraso na cicatrização.

Outro malefício da bebida alcoólica no processo pós-operatório é que ela dilata os vasos sanguíneos, aumentando o inchaço das regiões operadas. 

Além disso, o uso simultâneo de anti-inflamatórios e bebidas alcoólicas, podem causar desconforto estomacal, e sobrecarga hepática e renal.

Alimentos que ajudam na cicatrização!

Para acelerar o processo de cicatrização da pele, recomenda- se o consumo de alimentos ricos em antioxidantes e anti-inflamatórios, como o ômega-3. 

Dentre eles estão:

  • Tomate
  • Frutas cítricas como laranja e acerola
  • Alho, cebola, açafrão
  • Vegetais de folhas verde-escuras
  • Castanhas
  • Salmão, atum, sardinha, linhaça, chia e gergelim 

Recomenda-se também beber bastante água, para manter o funcionamento dos órgãos, diminuindo assim os inchaços que podem ocorrer devido à retenção de líquido no pós-operatório.

Contudo, tanto a sua dieta como a recuperação deve ter acompanhamento médico e nutricional. Portanto, converse com seu médico e nutricionista.

Sobre o processo de cicatrização

O processo de cicatrização é um processo que ocorre em três fases básicas: inflamatória, proliferativa e maturação.

Na fase inflamatória inicia-se o processo cicatricial, ela começa no exato momento da lesão e dura cerca de três dias.

Nesse período, o objetivo é cessar o fluxo sanguíneo, remover células mortas e microrganismos estranhos do local. 

A fase proliferativa começa após o terceiro dia após a lesão e permanece por algumas semanas.

Nela inclui a reepitelização, onde é estabelecida uma nova barreira protetora ao epitélio, síntese da matriz e neovascularização.

Também ocorre a formação do tecido de granulação, composto por tecido conjuntivo, capilares sanguíneos, leucócitos, colágeno tipo III e proteoglicanos.

E por fim, inicia-se a fase de maturação, onde ocorre a modificação do colágeno, pois ele começa a apresentar fibras mais grossas, deixando a superfície da ferida mais forte e diminuindo a espessura.

Esse processo é o mais longo, pois começa a partir do vigésimo dia, podendo durar meses ou até mais de um ano.

Referências: