Abacate é Remoso? | Veja bem Aqui!!!

Por ser uma fruta bastante popular em nosso país, quem fez tatuagem ou passou por cirurgia tem dúvida se o abacate é remoso.

Embora nem todo mundo esteja familiarizado com o termo “remoso” ou “reimoso.” A expressão ainda é bastante utilizada nas regiões Norte e Nordeste do nosso país.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O termo é comumente associado a alimentos que provocam reações alérgicas na pele, inflamação e até interferem na cicatrização.

Alimentos como a carne de porco, chocolate e camarão, são por vezes colocados como reimosos e proibidos na dieta de quem tem ferimento na pele.

Entretanto, antes de sabermos se o abacate é remoso ou não, é preciso conhecer um pouco sobre o conceito por traz dessa categoria de alimentos.

Quando um alimento é remoso?

Em geral, entende-se como remoso, alimentos ricos em gordura sendo esses de origem animal ou vegetal. No entanto, muitas vezes não existe uma regra para essa classificação.

O motivo é que existe divergência sobre quais alimentos levam ou não o título. Por exemplo, é possível que um alimento seja considerado remoso ou não de acordo com cada região.

Em um estudo realizado em Itapuá, Pará, apurou que nessa localidade mulheres menstruadas ou em resguardo, também ficam impedidas de comer frutas tidas como reimosas.

Nessas condições, frutas ácidas como tamarindo, caju e taperebá são proibidas, do mesmo modo, as ricas em gorduras como abacate, umari e piquiá são deixadas de lado.

Segundo as mulheres da região, a abstenção desses alimentos protege de doenças relacionadas ao ventre, corrimento e até suspensão da menstruação.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Contudo, é importante dizer que essas proibições alimentares não são fundamentadas em estudos científicos, e sim em parte frutos da diversidade sociocultural em nosso país.

Afinal, abacate é remoso ou não é?

Na cultura popular, várias frutas são tabus, de acordo com Aline Amaral, o abacate também é considerado um alimento remoso, assim como algumas frutas da categoria ácida.

Entretanto, a nutricionista explica que de fato na dieta pós operatória precisamos ter um cuidado especial na alimentação.

Saiba que uma boa nutrição ajuda no processo de cicatrização e manutenção da saúde. A especialista contou que existem alimentos que auxiliam na recuperação e outros que devem ser limitados na dieta.

Veja o que não comer depois da tatuagem ou cirurgia

Seja por uma tatuagem ou mesmo cirurgia, esses procedimentos causam lesões na pele, e caso não exista os cuidados necessários podem ocasionar inflamação.

Além de curativos e medicamentos, uma nutrição adequada auxilia no processo de recuperação e também facilita a cicatrização dos tecidos.

Segundo uma publicação do site americano HealthTap, os alimentos que consumimos desempenham um papel fundamental nos níveis de inflamação no corpo.

Alimentos ricos em açúcar têm alguns dos efeitos mais inflamatórios no organismo, o mesmo acontece com os alimentos fritos e carboidratos refinados.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Portanto, é sugerido limitar ou evitar alimentos como por exemplo, fast food, batata frita, refrigerantes, biscoitos e doces.

Também de acordo com um artigo publicado no site americano healthline, escrito por Franziska Spritzler, formada em nutrição e dietética, as carnes processadas também são prejudiciais.

A carne processada é rica em compostos inflamatórios e tem forte ligação com doenças como o câncer. Por isso, presunto, bacon, salsicha, hambúrgueres entre outros devem ser evitados.

Outros artigos!

Quais alimentos facilitam a cicatrização?

Uma dieta anti-inflamatória consiste consumir alimentos que tenham substâncias que reduzem a inflamação no corpo.

A inflamação é uma defesa natural, e faz parte do sistema imunológico sempre que corpo sofre um trauma, corte ou mesmo algo como um micro-organismo invasor.

No entanto, a inflamação pode durar por mais tempo que o necessário. A boa notícia é que certos alimentos além de saborosos têm efeito anti-inflamatório.

É o que explica no Havard Heath Publishing, o Dr. Frank Hu, professor de nutrição e epidemiologia no Departamento de Nutrição da Escola de Saúde Pública de Harvard.

Segundo Dr. Frank, vale a pena incluir na dieta alimentos antioxidantes como espinafre, brócolis, couve e tomates.

Do mesmo modo, é importante incluir no cardápio peixes ricos em ômega 3, uma gordura que tem ação anti-inflamatória no corpo.

Além disso, é sugerido o consumo de frutas vermelhas e cítricas, pois são cheias de compostos com ação antioxidante e anti-inflamatório.

Algumas frutas em destaque são por exemplo, acerola, tangerina, morango, mirtilos e laranja.

De fato uma dieta nutritiva e acompanhamento médico torna sua recuperação mais segura e saudável.

Esperamos que este artigo tenha sido útil para você, para mais informação sempre busque orientações de um médico ou nutricionista.

Fontes para matéria: