Bicarbonato corta a menstruação? | Entenda o assunto.

Já ouviu falar que bicarbonato corta a menstruação? Será que isso é mesmo verdade?

Pois é, mesmo que seja a primeira vez que você tenha ouvido, esta é uma curiosidade que instiga centenas de pessoas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Seja mito ou verdade, a teoria de que o bicarbonato corta a menstruação tem fundamento nos antigos costumes egípcios. 

Neste artigo, você vai conhecer melhor o assunto e saber se há ou não embasamento científico.

Bicarbonato corta a menstruação ou é só um mito?

Métodos contraceptivos caseiros sempre foram uma alternativa em épocas que a crença popular prevalecia.

Os egípcios por exemplo, foram a primeira civilização a prevenir a gravidez e dentre esses métodos lá estava ele: o bicarbonato.

Na verdade, os egípcios o usaram em uma composição junto a esterco de crocodilo e mel, para fabricar uma espécie de tampão.

Aliás, os tampões ainda eram mergulhados em suco fermentado de acácias, vinagre ou suco de limão antes de serem colocados na vagina.

O objetivo além de estancar o fluxo de sangue era promover um ambiente negativo para os espermatozóides, que de acordo com a crença, morreriam antes de alcançar os ovários. 

Por outro lado, na China, as mulheres tinham o costume de tomar mercúrio para controlar a fertilidade, ocasionando até mesmo esterilidade e óbitos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por que o bicarbonato era usado para parar a menstruação?

Acontece que em contato com ácidos, a fermentação do bicarbonato de sódio causa a liberação de CO2, isto é, gás carbônico, o que contribui para o crescimento de massas.

Justamente por isso foi utilizado como composto para a fabricação de tampões.

Entretanto, não há nenhuma comprovação científica ou até mesmo eficácia de que o uso do bicarbonato possa cortar a menstruação. 

Porém, ele pode ser um grande aliado em outra questão importante da saúde genital feminina. 

Bicarbonato equilibra o pH vaginal.

O pH é o estado natural saudável que uma determinada região do nosso corpo deve apresentar.

No caso da vagina, este pH equilibrado é determinante para que não haja um ambiente amistoso para bactérias ou fungos.

Isso porque, quando este pH está muito ácido é propício a fungos, como os responsáveis pela candidíase

O pH elevado também ajuda a proliferação exagerada de lactobacilos, que mesmo sendo bactérias do bem, seu excesso é a causa da vaginose citolítica.

Mas é aí que o bicarbonato entra.

Estudos mostram que em casos de acidez elevada no PH vaginal, o bicarbonato de sódio é sim de grande ajuda, sendo até mesmo indicado em tratamentos periódicos.

Quais são os sintomas do excesso de acidez vaginal?

Os sintomas mais comuns do excesso de acidez vaginal (ou pH elevado), são: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
  • Prurido vaginal;
  • Queimação vaginal;
  • Corrimento branco abundante.

Como identificar a acidez vaginal?

É importante lembrar que a consulta com um ginecologista é indispensável diante de qualquer incômodo, odor ou corrimento anormal na vagina.

No consultório é realizado o exame de microscopia a fresco, para verificar o aumento no número dos lactobacilos.

Somente dessa forma, o médico ginecologista pode identificar qualquer uma dessas evidências, assim como o índice exato de alteração da acidez do pH. 

Como usar o bicarbonato de sódio contra a acidez da vagina?

Com a intenção de reduzir o número de lactobacilos que elevam o pH vaginal, assim como sua acidez, aplicar o bicarbonato na vagina é usado como forma de tratamento durante as duchas de higienização. 

Veja a seguir, uma receita divulgada na Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde, a UNA-SUS, em conjunto com a Universidade Federal de São Paulo.

Receita de ducha vaginal com bicarbonato

Ingredientes.

  • 4 xícaras de água morna
  • 1-2 colheres de sopa de bicarbonato de sódio

Modo de Preparo.

Basta misturar o bicarbonato na água morna e aplicar na vagina 2 vezes por semana a cada 2 semanas.

E aí gostou? Mesmo que o bicarbonato não corte a menstruação, é usado para equilibrar e reverter o excesso de acidez na região íntima feminina.


FONTES:

  • https://repositorio.usp.br/directbitstream/e784d6ab-b0be-4ce9-90e6-bfca72231050/3069781.pdf
  • unasus.unifesp.br
  • https://www.bbc.com/portuguese/geral-48112377